Site Map
  Home Home Forum Forum Minha conta Minha conta Participe Participe Contactos Contactos
Rotas Turísticas
www.rotasturisticas.com

Participe
Conte-nos acerca dos destinos de férias que visitou. Clique aqui.
Destinos de Férias
Portugal
Férias e informação: GUARDA

GUARDA o que fazer, o que visitar, onde ir, onde comer, reserva de hotéis, aeroportos mais próximos, fotos, informação geral, dicas, etc.
Avaliação geral Ainda não temos pontuação

Seja o primeiro a dar opinião acerca de GUARDA
Hotéis em GUARDA
Faça a sua reserva de hotel para GUARDA
 
Hotel Lusitania Congress & Spa
Guarda
   
Hotel Santos
Guarda
   
Hotel Pombeira
Guarda
   
Hotel Vanguarda Congress & Family
Guarda
 
 
Residencial Pinto
Guarda
   
Guesthouse da Sé
Guarda
   
Pensão Aliança
Guarda
   
Quinta da Lage
Guarda
 
 
Quinta da Ponte
Guarda
   
Residencia Filipe
Guarda
   
Solar De Alarcao
Guarda
 

Aeroportos próximos de GUARDA a uma distância máxima de 250 km do centro de GUARDA
COV - Covilha 35.10 km do centro de GUARDA - Aeroporto Regional
VSE - Viseu 56.58 km do centro de GUARDA - Aeroporto Regional
VRL - Vila Real 90.48 km do centro de GUARDA - Aeroporto Regional
CBP - Coimbra 110.24 km do centro de GUARDA - Aeroporto Regional
CHV - Chaves 133.24 km do centro de GUARDA - Aeroporto Regional
OPO - Francisco Sá Carneiro, Porto 141.47 km do centro de GUARDA - Aeroporto internacional
BGZ - Braga Airport 152.87 km do centro de GUARDA - Aeroporto Regional
BGC - Bragança 154.23 km do centro de GUARDA - Aeroporto Regional
SLM - Salamanca Matacan 155.51 km do centro de GUARDA - Aeroporto internacional

Informações gerais acerca de GUARDA
A Guarda é uma cidade portuguesa com 42 541 habitantes, inserida no concelho homólogo com 712,1 km² de área e 42 541 habitantes (2011), subdividido desde a reorganização administrativa de 2012/2013 em 43 freguesias. O município é limitado a nordeste pelo município de Pinhel, a leste por Almeida, a sudeste pelo Sabugal, a sul por Belmonte e pela Covilhã, a oeste por Manteigas e por Gouveia e a noroeste por Celorico da Beira. É ainda a capital do Distrito da Guarda que tem uma população residente de 173 831 habitantes. Situada no último contraforte Nordeste da Serra da Estrela, a 1056 metros de altitude, sendo a cidade mais alta de Portugal. Situa-se na região centro de Portugal e pertence à sub-região estatística da Beira Interior Norte.

Possui acessos rodoviários importantes como a A25 que a liga a Aveiro e ao Porto bem como à fronteira, dando ligação directa a Madrid; a A23 que liga a Guarda a Lisboa e ao Sul de Portugal, bem como o IP2 que liga a Guarda a Trás-os-Montes e Alto Douro, nomeadamente a Bragança.

A nível ferroviário, a Cidade da Guarda possui a Linha da Beira Baixa (encerrada para obras de modernização com abertura prevista para o ano 2020) e a linha da Beira alta, que se encontra completamente electrificada permitindo a circulação de comboios regionais, nacionais e internacionais, constituindo "o principal eixo ferroviário para o transporte de passageiros e mercadorias para o centro da Europa" com ligação a Hendaye (França, via Salamanca-Valladolid-Burgos).
Fonte: wikipedia
Turismo
Desde sempre toda a cidade da Guarda é um hino ao granito, cantado na arte românica da Capela do Mileu, no estilo gótico e manuelino da sua Sé Catedral, ou nas ruas, praças e muralhas da sua cidade medieval. Certo é que este hino teve eco no Neolítico, na Anta de Pêra do Moço e nos machados de pedra polida expostos no Museu da Guarda. Continuou pela Idade do Bronze e pela romanização, nos castros do Tintinolho e Jarmelo ou no troço de estrada romana junto ao Chafariz da Dorna. Até que em 1199, o segundo rei de Portugal, D. Sancho I fundou a cidade, deu-lhe o poder do Bispado da Egitânia e dedicou-lhe uma cantiga de amigo, em louvor de um amor antigo.

Com os reis Afonsinos, D. Afonso II e D. Afonso III, concluíram-se as muralhas, então com cinco portas. Hoje subsistem a monumental Torre dos Ferreiros e as Portas da Erva e d`EL Rei, vigiadas pela Torre de Menagem e ligadas por um traçado de ruas fascinantes que dão a volta à Judiaria, vão ao senhorial Largo do Paço do Biu, e das quais a Rua Direita, actual Rua Francisco de Passos, continua a ser a principal.
Na Praça Velha, ou Praça Luís de Camões, nasceu a actual Sé Catedral, construída entre 1390 e 1540. De então para cá, vieram mais séculos, mais estilos e mais monumentos, mas em todos eles há um rosto de granito que a cidade guardou para sempre.
Um passeio na cidade

Do Museu da Guarda à Sé. Da Praça Velha à Judiaria. Passo a passo através de torres e muralhas, jardins e igrejas artísticas ou descobrindo uma colecção de relíquias medievais e renascentistas. Saindo da Praça do Município, ao fundo está o Hotel Turismo, da autoria de Raúl Lino, perto ou junto do Jardim José Lemos está, desde 1246, o antigo Convento de S. Francisco e actual Arquivo Distrital. Continuando, à direita, até ao Largo Frei Pedro, visite o Museu da Guarda instalado no edifício seiscentista do antigo Seminário, unido por uma Capela ao Paço Episcopal.

Museu da Guarda
O Museu tem ao nível do rés-do-chão quatro salas dedicadas cronologicamente à Pré-História, à Romanização, à Idade Média e ao Renascimento. Na Cave está a Sala das Armas e no piso superior, há exposições temporárias de etnografia, artesanato e pintura. Do Museu suba a Rua Camilo Castelo Branco até à Torre dos Ferreiros.
Repare na Capela setecentista de S. Pedro e no troço de muralha do século XIII. No interior está o Nicho de N.ª Sr.ª dos Aflitos. Saindo pela Rua da Torre volte à esquerda pela Rua dos Clérigos, assim chamada por nela terem residido os funcionários da Sé. Nesta rua há dois portais ogivais geminados, nos números 7 e 9, e um forno medieval no interior do Bar A Muralha. A rua termina na cabeceira da Sé, junto ao Solar de Alarcão, do séc. XVII, com capela no pátio, e hoje unidade de Turismo de Habitação. Subindo pela Rua D. Miguel de Alarcão, passe à Escola de Santa Clara e suba, junto ao cemitério, até à Torre de Menagem – a última relíquia do Castelo da Guarda, onde a visão da Sé, da cidade, da Serra e do planalto é notável. A descer até à Rua Solar Teles de Vasconcelos que alberga a Biblioteca Municipal e um Jardim com espaço aberto de lazer, chega-se junto à fachada principal da Sé.

Sé Catedral
A visita à Sé faz-se pelo portal lateral da Praça Luís de Camões (Praça Velha). O Templo tem estrutura fortificada, coroada com arcobotantes, coruchéus e uma franja de flores de lis. A mais bela das suas três entradas é o portal lateral norte, virado à Praça Velha, todo em estilo gótico florido e encimado por um janelão manuelino. A fachada principal confina a poente com o Largo Dr. Amândio Paúl e tem o seu portal manuelino protegido por dois torreões sineiros octogonais.

No interior, de concepção gótica, há uma nave central e duas naves laterais que culminam numa cabeceira, composta por duas capelas laterais à capela-mor, decorada com um admirável retábulo da Renascença quinhentista, esculpido em pedra calcária de Ançã por João de Ruão, na sua oficina de Coimbra. A obra é grandiosa, tem quatro andares com apóstolos, envagelistas e figuras bíblicas, coroadas pela cena da Paixão de Cristo. No transepto estão os cadeirais dos clérigos e na nave lateral direita as capelas privadas dos Pinas e dos Ferros.

A Praça Velha é desde o século XII o coração da cidade onde estão, entre outros, o edifício manuelino da antiga Câmara, e no lado oposto, casas brasonadas e o solar alpendrado onde D. Dinis se hospedou em 1282. Ao fundo, uma fachada de edifícios oitocentistas com arcadas. Na Rua Francisco de Passos, há casas de seiscentos nos números 14, 15 e 19, uma casa de quinhentos no número 21 e no número 41 uma bela janela renascentista. A Igreja de S. Vicente é um templo barroco, do séc. XVIII, com notáveis painéis de azulejos na nave que contam a vida de Jesus. A Rua de S. Vicente desce até às Portas D’El Rei que são rodeadas por um troço de muralha com caminho de ronda.
Judiaria da Guarda

Ao dobrar a esquina da Rua de S. Vicente com a Rua do Amparo, entramos em plena Judiaria da Guarda. Aqui tudo é medieval, as pedras do chão, os portais ogivais e as pequenas casas que se encostam à muralha ou às rochas de granito.

No Largo da Judiaria surge uma sucessão de patamares floridos e uma casa alpendrada, no número 57, que teria sido o tribunal dos judeus. Ainda pela Rua do Amparo reencontra-se a antiga Rua Direita e, voltando à esquerda, chega-se ao Largo do Torreão que é local panorâmico e ajardinado, onde existiu um dos torreões da cerca Afonsina. Na Rua do Torreão está o edifício da Associação de Jogos Tradicionais da Guarda que recorda o costume do jogo da malha, da raiola, do panco, da tracção da corda ou da subida ao pau. Ao fundo desta rua está o Largo do Poço do Biu onde há uma casa seiscentista com janela de canto e um nicho, ou Passo da Paixão de Cristo que a tradição cobrirá de roxo na Semana Santa. Ao lado, na Rua D. Sancho I, no portal esquerdo da casa com o número 15, uma loja de ferragens, está gravada uma cruz que era a marca usada pelos cristãos-novos, (judeus expulsos de Espanha e convertidos à fé cristã) para expressarem a sua nova fé e se protegerem da Inquisição.

Saindo pela Porta da Erva repare à esquerda no trecho da muralha, antes de subir a Rua Dr. Lopo de Carvalho até ao Largo João de Almeida, onde se encontra um cruzeiro e a Igreja da Misericórdia, traçada e decorada em estilo barroco no séc. XVIII. Por último, pela Rua Marquês de Pombal, admire a imponência granítica dos edifícios do Palácio da Justiça ou do antigo Banco de Portugal, até chegar ao local de partida deste passeio a pé.
Pelos encantos da Serra.

Uma viagem por vales cobertos de socalcos, por rios que repousam em albufeiras e por aldeias a viver em paisagens inesquecíveis. Sempre ao sabor do Parque Natural da Serra da Estrela.Deixando a Guarda pela Av. Dr. Francisco Sá Carneiro siga pela EN 16. Cubo e Prado são aldeias à beira da estrada, com o panorama da Albufeira do Caldeirão à vista e o morro do Castro do Tintinolho ao lado.

Adiante de Chãos a EN 16 torna-se num miradouro sobre o vale do rio Mondego. Ao km 166 deixe a EN 16, volte à esquerda para Faia e Ramalhosa. Desça até à Quinta da Ponte, cruze o rio Mondego e refresque-se com a beleza do local. Siga o sinal para Mizarela, por uma encosta fértil e cheia de Quintas e Solares. Mizarela e Pêro Soares são aldeias separadas pelo Mondego e unidas por uma ponte antiga. Aqui o rio corre sobre um tapete de lajes de granito e visita moinhos e mós seculares.

Segue-se a subida até ao dique da Barragem do Caldeirão, olhando para um cenário de socalcos sem fim. Sobre o dique está o Miradouro do Mocho Real e, ao lado, há uma parede granítica para os amantes das escaladas.

Continue em frente para a Corujeira, ao longo da Albufeira do Caldeirão, até chegar a Trinta. A caminho de Videmonte olhe a grandeza das paisagens e perceba como é que a água do rio Mondego passa por um túnel subterrâneo para a albufeira, ou conheça locais ímpares para a pesca à truta. Videmonte é uma aldeia de pedra, de rebanhos e de bom queijo da Serra, mas onde a estrada acaba. Regresse a Trinta e continue para Meios e Fernão Joanes, por um planalto cheio de riquezas rurais e grandes castanheiros. No alto de Famalicão nasce o ribeiro e o vale do Caldeirão, por lá passa a EN 18-1. Viramos à direita e começa o vale de Famalicão que nos levará à histórica vila de Valhelhas, à beira do rio Zêzere. Antes pare em Famalicão para ver um típico lagar de varas e a paisagem decorada com picos nevados da Torre.

Valhelhas foi romana, teve castelo e foral de D. Sancho I, em 1189, antes da Guarda. No Largo do Pelourinho está a Igreja de Santa Maria, com campanário destacado.
Tome a direcção de Belmonte e junto à Ponte, sobre o rio zêzere, vire à esquerda para Gonçalo que é terra de artesãos que fazem cestas e mobiliário em verga. A aldeia tem ruas antigas, casas solarengas e portais manuelinos. Para Seixo Amarelo a estrada sobe entre florestas e panoramas. No reencontro com a EN 18-1, volte à direita, com um último olhar sobre o vale do Caldeirão, continuando até à Guarda pela EN 18, para ir ver o Castro de Jarmelo e a Anta de Pêra do Moço.
Fonte: turismoserradaestrela
Gastronomia
Da gastronomia do distrito, antes de mais, é de destacar o célebre Queijo da Serra, feito de leite de ovelha, segundo métodos artesanais, relacionados com as próprias características da serra, humidade e frio.

São também de salientar, a sopa de grão à moda da Guarda, a sopa da Beira, o caldo verde com Bagudos, o pão de centeio, as papas de milho, os grelos à Pastor e o ensopado de míscaros de Trancoso.

Quanto à confeção de peixe, relevam-se o bacalhau à Lagareiro, o bacalhau à Conde da Guarda, o bacalhau à Assis, Tiborna (bacalhau com azeite novo e couve de corte, que só existem durante a época natalícia), os pratos de lampreia e as trutas recheadas com presunto.

A tradição gastronómica relacionada com a carne engloba os enchidos de porco, as sopas com presunto e azeite, os torresmos e morcelas da Guarda, a farinheira com míscaros, a farinheira de Gouveia com ovo, as migas de farinheiro, as chouriças de Bofe, o bucho recheado, o cabrito na Telha, o cabrito à Serrana, a feijoada de cabritinho com grelos, a caldeirada de cabrito, a feijoca à Senhora do Monte, o grão de bico à moda da Arrifana, o carneiro à Beirão, o borrego assado, o cozido à serrana, os Maranhos ou Borlhões, o sarrabulho à moda da Beira, a badana e o rancho de Seia.

Na doçaria, os principais destaques são: a Tigelada, o requeijão à moda da D. Rosalina, o arroz-doce, as papas doces de milho, as cavacas, os doces de castanha, as filhoses, o doce tradicional "orelhas de dom-abade" e as papas de Carolo.

Referência para os vinhos da adega cooperativa de Figueira de Castelo Rodrigo e para a aguardente de zimbro.

Em vários concelhos do distrito realizam-se mercados do queijo onde este produto se vende em grandes quantidades.
Fonte: infopedia
Clima
O clima da cidade é temperado, com influência mediterrânica, visto que no verão há uma curta estação seca. Os meses mais quentes são Julho e Agosto, com temperatura média de 17°C, e os meses mais frios são Janeiro e Fevereiro, com média de 3°C. O mês mais chuvoso é Janeiro, com pluviosidade média de 241 mm, e o mês mais seco é Agosto, com média de escassos 15 mm. A temperatura média anual é de 10°C e a pluviosidade média anual é de 1.713 mm. É considerada uma das cidades mais frias de Portugal, experimentando várias vezes por ano precipitações de neve.

As temperaturas inferiores a -10°C ocorrem com alguma frequência, havendo inclusivamente registos históricos datados de Janeiro de 1829 que parecem indicar temperaturas inferiores a -20°C.
Fonte: wikipedia


 

 

7 locais a visitar e onde ir em: GUARDA e num raio de 25 Km
Sé Catedral da Guarda
Guarda
Torre de Menagem
Guarda
Judiaria
Guarda
Castelo de Belmonte
Belmonte
Castelo de Sortelha
Sortelha
Igreja de São João Baptista
Manteigas

 

 

7 Restaurantes Onde Comer em: GUARDA e num raio de 15 Km
Marisqueira O Caçador
Guarda
Restaurante O Ferrinho
Guarda
Restaurante Belo Horizonte
Guarda
Restaurante Belo Horizonte
Guarda
Restaurante Aquariu`s
Guarda
Churrasqueira Guarda Gare
Guarda

 

 

1 Onde Comprar em: GUARDA e num raio de 15 Km
Continente da Guarda
Guarda

 

 

1 Clubes e Campos de Golfe em: GUARDA e num raio de 70 Km
Montebelo Golf
Viseu
 
 
 
 

  Comentar & avaliar
Os seus comentários e a sua avaliação podem ajudar muito outros turistas. Agradecemos a sua colaboração.

Se já esteve em: Guarda
fale-nos da sua experiência

Carregue aqui...

Destinos turísticos em
Portugal

 

 

Partilhe as fotos das suas férias em Guarda

 

 



24 Fotos de:
Guarda
 
 
HOME | Quem somos | Politica de privacidade | Publicidade | Contactos | Mapa do Site